SALVE JORGE

aisha_wandaSalve Jorge é uma telenovela que aborda temas como tráfico de pessoas, comércio e adoção ilegal de crianças, prostituição, infidelidade.

A trama se passa no Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, e em Capadócia na Turquia, onde nasceu São Jorge.

A novela leva o nome de São Jorge, conhecido como soldado romano, um dos mais proeminentes santos militares.

São Jorge nasceu na Capadócia. Após a morte de seu pai em batalha, mudou-se com sua mãe para a Palestina, por ela educado com esmero. Ao atingir a adolescência, Jorge entrou para a carreira das armas, por se harmonizar com seu caráter combativo.

Promovido a capitão do exército romano devido a seu empenho, dedicação e habilidade.

Foi membro da corte imperial, exercendo a função de Tribuno Militar.

Tomando conhecimento do plano do imperador Diocleciano em matar todos os cristãos, revoltou-se. Fiel à fé cristã, foi torturado, mas se manteve fiel a Jesus, ao cristianismo.

Deparamo-nos, na novela, com várias histórias reais.

Gloria Perez disse à Marie Claire*:

 “Sempre me chamou a atenção dramas invisíveis, que estão na cara de todo mundo, mas as pessoas não veem”.

Como dito acima, dentre estes dramas invisíveis, a escritora foca a questão do tráfico de pessoas, da adoção ilegal e comércio de crianças, etc..

Neste artigo, tomamos a liberdade para focar outro tema muito importante, percebidos por muitos, sem chamar a atenção, e sutilmente apontado por Glória Perez.

O tema é educação, vinculada ao “O golpe de Wanda”.

WANDA se aproveita de AISHA, filha ingênua e indiferente aos conselhos do pai MUSTAFÁ.

Natural que o amadurecimento do jovem seja fruto da experiência, do contado com a realidade, tornando-o combatente no cotidiano.

Isso é muito natural!

Contudo, causa-nos surpresa flagrar jovens despreparados e, sobretudo, arrogantes. E a arrogância se encontra intimamente ligada ao orgulho. Como convencer uma pessoa arrogante?

A que se deve isso?

Não temos a pretensão de, em poucas palavras, responder está questão. Mas isso não nos impede de tecer alguns comentários.

Os pais não podem se recusar a cumprir o papel de educadores e, desde criança, estabelecer limite à atuação de seus filhos, indispensável na formação educacional.

Querendo ou não, eles precisam de limites para se desenvolver. Caso contrário, os filhos enfrentarão maiores dificuldades, fruto da desobediência, da desatenção, da falta de respeito.

Este fato nos fez recordar a frase de Alexandre Dumas (filho):

“Como é possível que, sendo as criancinhas tão inteligentes, a maioria das pessoas sejam tão tolas? A educação deve ter algo a ver com isso!”

Os pais são educadores e devem ter consciência desse fato. E o jovem não pode descurar da experiência dos pais, educadores, etc..

Em decorrência deste princípio, estimula-se, de forma superficial, a necessidade de diálogo na família.

De fato, o diálogo é muito importante!

Todavia, raramente se constata o diálogo entre pais e filhos. Estes, então, não aprenderam a trocar ideias. E quando o diálogo existe, os filhos conversam com os pais sem o mínimo respeito, impondo condições, exigindo do ascendente o respeito que não conhecem.

Compreensível que não escutem os idosos, a sabedoria dos mais experientes, quiçá por não terem aprendido a arte da conversação

E a situação se agrava quando distante, muito longe, a humildade.

Como São Jorge, a criança deve aprender o valor da hierarquia, da obediência, e, se possível, da admiração tão saudável na relação familiar, como no caso de São Jorge e Alexandre Dumas, que escolheram a mesma atividade profissional do pai.

Sem respeito, nenhum sistema prospera, nenhum potencial se esmera, a tornar o homem eficaz e coerente em sua conduta.

O respeito e a obediência aos pais são de vital importância, tanto que qualificado como mandamento Bíblico. E o texto é bem claro:

Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá. 

Obedecer, escutar, submeter-se à autoridade se encontra intimamente vinculado com honrá-los.

Se a criança não escuta e nem obedece aos pais, como irá respeitar as autoridades, a polícia, os patrões, e, sobretudo, como irá manter incólume os direitos dos semelhantes?

Então, devemos obedecer aos pais de forma cega? E se eles nos determinarem algo de algo de errado?

Neste caso, devemos obedecer a Deus, vontade superior à de nossos pais.

Mas cuidado!

Nem sempre o jovem tem maturidade para perceber seus equívocos, muito menos o alcance das advertências paternas. Em caso de dúvida, procuremos a Vontade Maior.

Se AISHA escutasse a advertência do genitor, não correria risco, não se envolveria com pessoas inescrupulosas, criminosas e aproveitadoras como WANDA.

____________

A função militar exige obediência, não é mesmo?

E a criança somente conquistará a autonomia quando aprender a obedecer, e a submeter ao bem comum e a Vontade do Pai!

Sem dúvida mais uma advertência da autora Glória Perez…

 

P.s.: ALEXANDRE DUMAS, filho de Alexandre Dumas e de uma costureira. Foi um escritor francês que seguiu os passos de seu pai tornando-se um conceituado autor de livros e peças de teatro.
 
http://revistamarieclaire.globo.com
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s